Como fotografaremos no futuro?

Cada vez mais ir às ruas com uma câmera fotográfica nas mãos tem se tornado um problema.

Na mesma época em que bilhões de fotos aterrissam nas redes sociais todos os dias, uma fotofobia de ser fotografado por alguém cresce. Justamente por saber que, invariavelmente essa foto vai para a internet. Claro, com bilhões de outras juntas e nos achamos importantes demais ao pensar que o mundo parará mais que 3 segundos justamente na nossa. Não quero entrar aqui na questão de direitos autorais porque não quero perder a sensação que o ato causa de vista.

Outro grande problema ao ir para a rua fotografar é a insegurança. Moro num lugar onde ainda é possível sair com a câmera nas ruas, pelo menos em determinados horários. Mas ontem, uma viatura da polícia embicou exatamente onde eu estava fotografando com alunos, no centro da cidade num calçadão central entre duas pistas. Alguns alunos por entre os dentes diziam, ” vão perguntar o que estamos fotografando”. Mas foi pior. Os simpáticos polícias vieram nos alertar sobre o perigo de estarmos ali pois, “um vagabundo poderia passar ali e levar as máquinas”. Ele não estava errado, ainda que eu estivesse por dentro me indagando sobre a função de segurança que a polícia deveria exercer. Mas esse é papo para outro blog. Ainda assim, a sensação continuou azeda.

Os celulares têm tomado o espaço na fotografia. Aliás, eles já são de longe o equipamento fotográfico mais usado e com ele nos sentimos um pouco mais seguros para fotografar do que com uma câmera maior, ainda que alguns modelos daqueles custem mais que estas últimas. Sua portabilidade e conexão imediata com a internet fazem dele, dito por alguns grandes fotógrafos da atualidade, o futuro da fotografia profissional.

Não há problemas nisso. Se o resultado final alcançar o que faz câmeras maiores, que seja. Já vimos isso no mundo da fotografia. O analógico perdendo para o digital.

O modo de fotografar pode ser que mude radicalmente. Não sabemos como o celular fará para nos dar tantos controles. O que se desenha é que seja tudo via touchscreen como algumas câmeras já possibilitam.

A fotografia em modo manual não será tão rápida. Como ser rápido usando um só dedo no touchscreen?

Não consigo imaginar, mas acredito que vá acontecer.

O que o futuro da fotografia nos reserva é uma incógnita. Como vamos passar a segurar uma câmera e mexer em seus comandos, idem.

Sabe o que não mudará jamais?

O olhar fotográfico. Tenho quase certeza que ainda precisaremos de você atrás do dispositivo, enquadrando e compondo.

A música já passou por essa transformação. Hoje em dia há softwares que te permitem fazer música de maneira minimamente decente sem que se precise saber como tocar uma única nota. Vai tudo no feeling. Apesar das mudanças, ainda precisamos de compositores.

Portanto, não se apegue tanto às suas técnicas. Abasteça o seu olhar. Melhor dizendo, não seja um tecnocrata da foto, escolha ser artista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s